PT | EN

 Colóquio

Pintura: teoria e prática

Com Artur Ramos, Ilídio Salteiro, João Queiroz e Luís Herberto

 

12 de outubro(14h30)| Real Fábrica Veiga

Pintura - Teoria e Práticas é a designação do Colóquio que o Museu de Lanifícios das Universidade da Beira Interior (MUSLAN) recebe na quinta-feira, 12 de outubro, a partir das 14h30.

A apresentação integra o programa da exposição de quatro projetos individuais de pintura, que se encontra no espaço museológico, com o título Pretexto, Prospecção, Processo, até ao dia 15 de outubro.

São convidados do Colóquio os artistas Artur Ramos, João Queiroz e Ilídio Salteiro, que apresentarão as suas comunicações. O debate é moderado por outro dos autores representados na exposição: Luís Herberto, docente da UBI, que também apresentará um dos temas em análise.

No colóquio, será apresentado ao público o catálogo da exposição, onde se incluem as comunicações e obra plástica exposta, que terá apresentação de Paulo Serra, Presidente da Faculdade de Artes e Letras.

 

Notas biográficas

Artur Ramos

Artur Ramos nasceu em Aveiro em 1966. Licenciou-se em Pintura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Em 2001, obteve o grau de Mestre em Estética e Filosofia da Arte pela Faculdade de letras da Universidade de Lisboa, e, em 2007, o Doutoramento em Desenho pela Faculdade de Belas-Artes da mesma Universidade. Tem mantido uma constante investigação em torno do retrato e do auto-retrato. Para além do seu trabalho como artista plástico, estes temas foram também aprofundados nas suas teses de Mestrado (O Auto-retrato ou a Reversibilidade do Rosto) e de Doutoramento (Retrato: O Desenho da Presença).
Foi responsável por diversos cursos e workshops dedicados ao retrato. Paralelamente ao retrato, tem desenvolvido um importante trabalho de Desenho no âmbito da investigação Arqueológica, nomeadamente na recriação de paisagens.
É co-autor dos atuais programas das disciplinas de Desenho do Ensino Secundário. As suas publicações têm-se dividido entre o desenho arqueológico e a questão do retrato, como é exemplo, o texto No Traço dos Traços do Nosso Rosto, publicado na revista Philosophica da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Fonte: Artur Ramos

Ilídio Salteiro

Licenciado em Artes Plásticas-Pintura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, em 1979. Em 1987, obtém o grau de Mestre em História da Arte pela Universidade Nova de Lisboa, e, em 2006, faz o Doutoramento em Belas Artes/Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.
Expõe regularmente desde 1979. Participou, em 1981, na LIS’81-2ª Bienal de Desenho, e, em 1986, na III Exposição da Fundação Calouste Gulbenkian, entre muitas outras exposições coletivas.
Está representado na coleção da Culturgest, assim como em muitas outras coleções públicas e privadas.
Desde os anos 80 do séc. XX que tem participado em projetos de intervenção social, cultural e artísticos alicerçados num pensamento oposto ao da arte pela arte:

  1. A Barca – cooperativa de dinamização cultural: uma associação de artistas plásticos.
  2. O restauro de uma fragata do Tejo: um projecto de dinamização cultural e artístico das duas margens.
  3. Casa de Santa Bárbara de Nexe: um espaço entre Faro e Lisboa designado para produção e a divulgação artística.
  4. The Centre of the world is here é um projecto artístico, faseado, que se iniciou em 2007 e que terminará em 2013com uma exposição num museu nacional.

Fonte: http://www.salteiro.arte.com.pt/ 

João Queiroz

João Paulo Queiroz nasce em Aveiro, em 1966. Tem o Curso Superior de Pintura pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (FBAUL). É Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISTE) e Doutor em Belas-Artes (Teoria da Imagem), pela Universidade de Lisboa. Foi Subdiretor da FBAUL em 2009 e 2012, leciona os cursos de Licenciatura, Mestrado e Doutoramento da FBAUL, sendo responsável pela licenciatura de Arte Multimédia, e é co-autor dos programas de Desenho do Ensino Secundário.

Publicou o livro Cativar pela imagem, 5 textos sobre comunicação visual, pela FBAUL, em 2002, é coordenador da revista internacional Estúdio (ISSN1647-6158) e membro da Comissão editorial da revista International Journal of Cinema (ISSN 2182-2158).

Obteve o Prémio de Pintura Gustavo Cordeiro Ramos, pela Academia Nacional de Belas-Artes, em 2004.

Realizou diversas exposições individuais, sendo a última Outeiro dos Valinhos,  em 2009, na Galeria Cirurgias Urbanas, no Porto.

Fonte: João Paulo Queiroz (FBAUL)

Luís Herberto

Em 1998, obtém a Licenciatura em Artes Plásticas / Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, e, entre 1999-2001, frequenta os cursos de Mestrado em Estética e Filosofia da Arte, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e em Desenho, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Em 2015, obteve o grau de Doutor com a tese Imagens Interditas? Limites e Rupturas em Representações Explícitas do Sexo no pós-25 de Abril, pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Atualmente, é professor de Desenho na Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior.
Desde 1994 tem participado, por todo o país, em muitas exposições coletivas e individuais de Desenho, Pintura e Escultura. Destacam-se as últimas exposições de 2016: entre as coletivas, In Good Hands/ Em Boas Mãos, ISEG/ ACERVO, Lisboa; I Salão de Outono, Museu Regional da Guarda; 30 x 30, Acervo, Lisboa; Pan: El Otro / O outro. Encuentro y Festival Transfronteirico de Poesia, Património e Arte de Vanguardia, Morille (Salamanca); Pianissíssimo, Escola de Música do Conservatório Nacional, Lisboa (Pintura); e no Simpósio Internacional de Arte Contemporânea/ Cidade da Guarda, e, ainda, a exposição individual As brincadeiras de Alex, no Espaço Cultural das Mercês, Lisboa.
Está representado no Museu Regional da Guarda, Museu de Setúbal, Fundação Dom Luís/ Cascais e diversas coleções particulares em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda...

Fonte: http://www.luisherberto.com/ 

Ver  Cartaz

Datas
12 de outubro (14h30)

Local
Museu de Lanifícios da UBI/Núcleo da Real Fábrica Veiga
Calçada do Biribau, s/n, Covilhã

Acesso
Entrada livre e gratuita



 Jornadas Europeias do património 2017

Património e Natureza | 22, 23 e 24 de setembro

Terão lugar nos dias 22, 23 e 24 de setembro as Jornadas Europeias do Património 2017, este ano subordinadas ao tema Património e Natureza.

O tema deste ano pretende chamar a atenção para a importância da relação entre as pessoas, as comunidades, os lugares e a sua História, mostrando como o património e a natureza se cruzam nas suas diferentes expressões - mais urbanas ou mais rurais - e para a necessidade de preservar e valorizar esta relação, fundamental para a qualidade da vida, para a qualificação do território e para o reforço de identidades. A relação Património e Natureza pode ser uma fonte inesgotável de conhecimento, de criatividade e de recreação, e nela reside um enorme potencial para um desenvolvimento cultural, social e económico, equilibrados. Pretendemos também enfatizar que esse desenvolvimento deverá ser sustentável, não comprometendo definitivamente as perspetivas de futuro; as alterações climáticas, decorrentes do aquecimento global do planeta, e os epifenómenos daí decorrentes, como cheias, deslizamentos de terras e incêndios, que começam a colocar em causa a permanência de muito património construído e natural para o futuro, obrigando a alocação de muitos recursos que poderiam ser dirigidos a áreas mais carentes e urgentes.

Já está disponível, no website da Direção Geral do Património Cultural, o Programa Geral das JEP 2017, a realizar nos dias 22, 23 e 24 de setembro, em todos os museus e monumentos sob a tutela da DGPC e da Rede Portuguesa de Museus associados às comemorações, em que o acesso à maioria das atividades é gratuito.

O Programa JEP do Museu de Lanifícios para 2017:

22, 23 e 24 de setembro
Entradas gratuitas nos Núcleos Museológicos Real Fábrica de Panos e Real Fábrica Veiga (9h30-12h00 / 14h30-18h00)

22 de setembro
Apresentação e sessão de autógrafos do livro A Indústria Têxtil Portuguesa, editado pelo Clube do Colecionador em 2017, da autoria de António dos Santos Pereira, por convite dos CTT. Saiba +

23 de setembro
Percurso pedestre pela Serra da Estrela
Revisitando a «Canada principal para a Serra da Estrela» : Percurso de Manteigas para a Nave de Santo António, por Poios Brancos

Do Estacionamento do Centro de Limpeza de Neve dos Piornos(10h00) | Poios Brancos (Piquenique) | Nave de Santo António (15h00) | 7,9 km | c. 3h30 min. Saiba +

Para mais informações:
Secretariado do Museu (Tel. +351 275 319724 / E-mail muslan@ubi.pt)

Jornadas Europeias do Património 2017 | Património e Natureza

CAMINHADA

Revisitando a «Canada principal para a Serra da Estrela»,

percurso de Manteigas para a Nave de Santo António, por Poios Brancos

23 Setembro 2017 (10h00 - 15h00)

No âmbito das Jornadas Europeias do Património 2017, sob o tema “Património e Natureza”, o Museu de Lanifícios da UBI convida à exploração das vias da transumância, revisitando a Canada principal para a Serra da Estrela, numa caminhada a realizar no dia 23 de setembro.

Partindo da Nave de Santo António e caminhando em direção a Manteigas, avistando o Vale Glaciar e subindo aos Poios Brancos, fruindo da paisagem natural, descobriremos marcas e evidências da deslocação de rebanhos e pastores, que refluem às aldeias após o período de pasto estival. O percurso é circular, com paragem para piquenique nos Poios Brancos.

A equipa do Museu de Lanifícios aproveita também este momento para celebrar com o Senhor João Lázaro da Conceição, técnico têxtil do Museu de Lanifícios recentemente aposentado, um novo período da sua vida e partilhar com ele e todos os amigos e interessados o prazer de caminhar na Serra da Estrela explorando um dos percursos da Rota da Lã.

O ponto de encontro é no sábado, 23 de setembro, às 10h, no estacionamento do Centro de Limpeza de Neve dos Piornos. O regresso faz-se ao mesmo local por volta das 15 horas.

Informações Gerais

Local de concentração (10h00): Estacionamento do Centro de Limpeza de Neve dos Piornos

Extensão: 7,9 km

Dificuldade: Média

Duração do percurso: 3h30m sem paragens

Duração do passeio: 10h30-15h (caminhada e piquenique)

Conselhos úteis: usar calçado apropriado e roupa confortável (incluindo calças e chapéu), não esquecer a água e merenda para o piquenique nos Poios Brancos

Inscrições: A participação na caminhada é livre e gratuita. Basta aparecer no local previsto de concentração.

Ver Cartaz


Saiba +:

Para mais informações
Secretariado do Museu: Email - muslan@ubi.pt| Telefone 275 319 724

 JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2017

Apresentação e sessão de Autógrafos do livro

A Indústria Têxtil Portuguesa, de António dos Santos Pereira

Edição do Clube do Colecionador  - CTT

22 de setembro (16h00)

No âmbito das celebrações das Jornadas Europeias do Património 2017, no dia 22 de setembro, pelas 16h00, no Auditório da Real Fábrica Veiga do Museu de Lanifícios, terá lugar o lançamento na Covilhã do livro “A indústria têxtil portuguesa”, de António dos Santos Pereira, Professor Catedrático da UBI e atual Diretor do Museu de Lanifícios, a convite dos CTT e editado, este ano, pelo Clube do Colecionador numa edição bilingue.

Profusamente ilustrada, com quatro selos e um bloco impresso em tecido, esta obra segue a história da indústria têxtil em Portugal desde os métodos de transformação mais artesanais até aos mais atuais processos tecnológicos.

SINOPSE

Com a sua capacidade de industriar, o homem apoderou-se dos materiais disponíveis e transformou-os, com perícia e arte, em fibras cada vez mais complexas, tais como os novos tecidos inteligentes que incorporam, por exemplo, tecnologia capaz de controlar as nossas funções vitais.
Seguir a história da indústria têxtil implica aprofundar desde os modos de transformação mais artesanais até aos atuais processos tecnológicos utilizados.
Para nos guiar neste fascinante percurso, os CTT convidaram António dos Santos Pereira, professor catedrático da Universidade da Beira Interior e diretor do Museu de Lanifícios, na Covilhã.

Ficha Técnica

Autor: António dos Santos Pereira
Tradução: José Manuel Godinho
Edição: Clube do Colecionador
Design:  José Brandão / Susana Brito [ATELIER B2]
Dimensões: 24,5 X 24,5 cm
Capa: Encadernado
Tiragem:  3700 exemplares, com a emissão filatélica A Indústria Têxtil Portuguesa, de 2017
Páginas:  208
Edição realizada em maio de 2017, numerada e autenticada pelo Editor
ISBN: 978-972-8968-85-4
© CTT Correios de Portugal
 

Para mais informações
Secretariado do Museu
Tel. 275 319 724 | E-mail: muslan@ubi.pt


 Tardes de Quinta no Museu

O Arquivo da Delegação do Ministério do Trabalho da Covilhã

com José Ayres de Sá

25 de maio de 2017 (16h00) | Real Fábrica Veiga (Auditório)

A apresentação do Arquivo da Delegação do Ministério do Trabalho da Covilhã, como era conhecida a Unidade Local da Covilhã da atual Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), debruça-se fundamentalmente sobre as causas da implantação deste serviço da Administração do Trabalho na Covilhã nos primeiros anos da década de trinta do século XX, início do Estado Novo. Serão igualmente abordados os conteúdos informativos e a relevância do acervo documental que foi sendo acumulado por esta unidade da ACT ao longo de oitenta e quatro anos de atividade na promoção de melhores condições de trabalho.

Breve curriculo do orador

José Afonso Nogueira Ayres de Sá, com a licenciatura em Direito concluída em 1972 iniciou a sua atividade profissional nessa mesma data. Passa a exercer funções no Instituto Nacional de Trabalho e Previdência (INTP), em Santarém, a partir de 1 de fevereiro de 1973.

Torna-se dirigente da Unidade local da Covilhã da ACT entre 26 de Janeiro de 1976 e 31 de Março de 2009 e, entre 1996 e Março de 2009, docente da Universidade da Beira Interior, na Covilhã.

Associada ainda à sua atividade principal, torna-se coordenador das Relações Internacionais da Autoridade para as Condições de Trabalho, perito da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Rede da Organização do Trabalho Europeia (European Work Organization Net), formador internacional e consultor e formador em projetos PME's.

Foi coordenador das comemorações do Centenário da Inspeção do Trabalho Portuguesa (1916-2016), que decorreram em 2016.

Ver Cartaz

Data
25 de maio (quinta-feira) | 16h00

Local
Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior | Núcleo da Real Fábrica Veiga (Auditório)
Calçada do biribau, s/n, 6201-001 Covilhã -- Portugal
Tel.: 275 319 724 | Fax: 275 319 712 | E-mail: muslan@ubi.pt

Acesso
Entrada livre e gratuita


 Tardes de Quinta no Museu com um Colóquio de Desenho . Escultura

Pensar pelo Desenho

 

2 de março de 2017  16h00 | Real Fábrica Veiga (Auditório)

 

Na próxima Tarde de Quinta no Museu, no dia 2 de março (quinta-feira), a partir das 16h00h, irá ter lugar na Real Fábrica Veiga o Colóquio "Pensar pelo Desenho", que contará com as presenças do autor das obras apresentadas na Exposição com o mesmo nome, António Delgado (Escola Superior de Artes e Design do Instituto Politécnico de Leiria), de Francisco Paiva (Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior) e Rui Pereira (Editor e Designer).

O Colóquio será procedido, às 17h30, da inauguração da Exposição "Pensar pelo Desenho", de António Delgado, que estará patente ao público na Galeria da Real Fábrica Veiga de 2 de março a 23 de abril de 2017.

 

Oradores do Colóquio:

António Delgado | Autor
Escola Superior de Artes e Design do Instituto Politécnico de Leiria

Os trabalhos desta exposição representam a pesquisa de campo de um "científico" ou de um etnógrafo, não no estrito sentido da palavra, e são apresentados também como testemunhos arqueológicos, já que estes desenhos são inspirados em formas agrícolas arcaicas, imaginadas pelo ser humano para dominar a terra e sobre as quais se descobrem e inventam novas fórmulas espaciais. Mostrar estas ferramentas etnográficas, como designo o meu trabalho dentro dos limites do desenho, significa reduzir a forma tridimensional exterior ao espaço bidimensional da folha, com uma consciência crítica e sistemática, tal como faz o científico que descreve um amplo campo de noções com as quais recria a natureza. Esta forma de ver e fazer dá-me uma melhor compreensão do mundo, daquilo que me rodeia, evidenciando ao mesmo tempo a transformação permanente da vida e das coisas pela maneira como as vimos. Ao rever estes desenhos, encontro no silêncio do meu atelier sugestivos modos da sua aplicação em técnicas associadas à arquitetura, à criação industrial, à engenharia, ao design, ao debuxo e, essencialmente, ao desenho e a forma como se pensa através dele.

 


 

Francisco Paiva | Professor Especialista em Desenho
Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior

Francisco Paiva fará uma alocução inicial, refletindo sobre quão longe a obra de António Delgado conduz o projeto artístico, seja por meio do desenho e da complexa teia de relações que o instrumento gráfico convoca, seja por via da obra escultórica que lhe dá corpo e qualifica o entorno material. Propondo um necessariamente breve périplo sobre a imbricação destes temas, discutindo as suas interdependências e tensões, tanto do ponto de vista concetual como na esfera do sensível, atenderá à qualidade da obra exposta, ao quadro cultural em que esta surge e ao singular percurso do autor.


Rui Pereira | Editor e Designer

Idealizar um livro, um diário, um caderno de memórias é considerar que este transpôs a sua identidade individual, do eu criador, para onós contempladores - participantes desta caminhada ao folhear a obra. O design gráfico ao somar a matéria do livro texto e imagem designa o objeto, o editado. A capacidade comunicativa como vínculo do conhecimento, em forma de livro, é aqui uma manifestação pela cultura - todos somos convidados a declarar, a espreitar, a ver e ler um todo que aqui emerge. O diálogo, o debate, o questionamento inerente à obra plástica expressa o seu caráter livre. O desenho, o traço de António Delgado, determina o propósito, o desígnio formal, da criação do escultórico.

Ver Cartaz


Data
2 de março (quinta-feira) | 16h00

Acesso
Entrada livre

Local
Museu de Lanifícios da UBI / Núcleo da Real Fábrica Veiga
Rua Marquês d'Ávila e Bolama, 6201-001 Covilhã

Contactos
Tel.: + 351 275 319 724 | Fax: + 351 275 319 712 | E-mail: muslan@ubi.pt


 Congresso de Encerramento das Comemorações da Santa Casa da Misericórdia do Fundão

A Misericórdia do Fundão: 500 Anos de Solidariedade

3 e 4 de março | Auditório da Santa Casa da Misericórdia do Fundão

A Santa Casa da Misericórdia do Fundão (SCMF) em colaboração com a Universidade da Beira Interior, através do Museu de Lanifícios, realiza, nos dias 3 e 4 de março, o Congresso “A Misericórdia do Fundão: 500 anos de Solidariedade”.

O encontro terá lugar no auditório da SCMF e destina-se a historiadores, investigadores, estudantes de história e áreas afins, encerrando as comemorações dos 500 anos da Santa Casa da Misericórdia do Fundão (Diocese da Guarda).

A comissão científica do congresso é constituída por Manuela Mendonça, presidente da Academia Portuguesa da História; Vítor Serrão, historiador e professor catedrático na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e António Santos Pereira, historiador, professor na Universidade da Beira Interior e diretor do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior.

Os congressistas deste encontro irão refletir sobre «A Santa Casa do Fundão história e actualidade»; «Missão e valores das Misericórdias da fundação aos nossos dias: a solidariedade o ensino e a saúde»; «Os congressos das misericórdias e o intercâmbio nacional e internacional como elo de desenvolvimento»; «As misericórdias os emigrantes e imigrantes»; «As misericórdias a igreja e o estado: a experiência da democracia e as parcerias de desenvolvimento»; «Figuras locais e nacionais na história das misericórdias»; «As misericórdias e a defesa do património documental e artístico»; «Misericórdias e lusofonia: experiências de voluntariado».

O congresso tem como objetivo “a promoção da análise e discussão quanto à importância histórica e social da intervenção das Misericórdias desde as suas origens até à atualidade”.

Saiba + http://congressoscmf.wixsite.com/500anos

Ver Cartaz


Tardes de Quinta no Museu

A Arquitetura e Cinema

com Paulo Trancoso
Presidente da Academia Portuguesa de Cinema

 

1 de junho de 2017 (16h00) | Real Fábrica Veiga (Auditório)

 

Cinema e Arquitectura, uma relação criativa!

As relações do cinema com a arquitetura podem ser observadas por diferentes perspetivas: a própria arquitetura dos espaços do filme, através da construção de cenários ou pela utilização de "décors" realistas em espaços já existentes, ou pelo aproveitamento da arquitetura, da cidade e da paisagem como sujeito da própria história,  transfigurando um espaço real ou construído, dando-lhe novas leituras e interpretações 

 

Breve curriculo do orador:

 Paulo Trancoso nasceu em Lisboa. Tem as licenciaturas em Medicina e em Cinema. Realizador, distribuidor e produtor, em 1982 funda a sua própria companhia, a Costa do Castelo Filmes. Entre as co-produções internacionais em que participou encontramos A Casa dos Espíritos, A Rainha Margot, O Coração da Terra, Comboio nocturno para Lisboa e outros muitos filmes e documentários portugueses como: A selva, Mão, Encontros, Pare, escute e olhe, Duas mulheres, etc.

Atualmente, é Presidente da Academia Portuguesa de Cinema.

Ver Cartaz


Data
1 de junho(quinta-feira) | 16h00

Local
Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior | Núcleo da Real Fábrica Veiga (Auditório)
Calçada do biribau, s/n, 6201-001 Covilhã -- Portugal

Tel.: 275 319 724 | Fax: 275 319 712 | E-mail: muslan@ubi.pt

Acesso
Entrada livre e gratuita

 Dia Internacional dos Museus 2017

Museus e histórias contestadas: dizendo o indizível nos museus

  18 de maio de 2017| Núcleo da Real Fábrica Veiga

No próximo dia 18 de maio assinala-se mais um Dia Internacional dos Museus, este ano subordinado ao tema Museus e histórias contestadas: dizendo o indizível nos museus, proposto pelo ICOM Internacional, que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), em colaboração com o ICOM Portugal, divulgará a nível nacional as atividades propostas pelas entidades públicas e privadas aderentes a esta efeméride. A programação geral efetuada está disponível aqui, através do website da DGPC.

Em prol deste dia festivo, o Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior apresenta um programa de atividades que destaca o papel cultural e patrimonial do seu núcleo museológico fundador, as Tinturarias da Real Fábrica de Panos, classificadas como Imóvel de Interesse Público em 1982, que, este ano, cumprem 25 anos após conclusão das obras de requalificação construtivas, arqueológicas e museológicas, em 30 de abril de 1992.

PROGRAMA | 18 de maio

Exposições Permanentes “Da Manufactura à Industrialização dos Lanifícios”

// Tinturarias Pombalinas da Real Fábrica de Panos (Séc. 18) > Rua Marquês d’Ávila e Bolama, Covilhã

// Real Fábrica Veiga: Industrialização dos Lanifícios (Séc. 19-20) > Calçada do Biribau, Covilhã

Horário: 9h30 – 12h00 | 14h30-18h00 | Entrada Gratuita

// Visita orientada ao Núcleo da Real Fábrica de Panos pela Dra. Elisa Calado Pinheiro (Diretora Ap.ª do Museu)> Rua Marquês d’Ávila e Bolama, Covilhã

Horário: 10h30 (Máximo de 25 participantes, por marcação ou ordem de chegada)

Exposição Temporária | Real Fábrica de Panos

// Tinte descoberto, museu aberto

Exposição comemorativa do 25º aniversário do Museu de Lanifícios. Este ano, celebra-se a inauguração do Museu de Lanifícios em 30 de abril de 1992, após as obras de construção e de intervenções arqueológicas e museológicas da área das tinturarias da Real Fábrica de Panos (até 30 de julho).

Horário: Sessão de inauguração às 14h30 | Entrada Gratuita

Tarde de Memória no Museu de Lanifícios | Auditório da Real Fábrica Veiga

Colóquio comemorativo dos 25 anos do Museu de Lanifícios, que conta com a presença e testemunho dos principais intervenientes no processo de requalificação da área das tinturarias da Real Fábrica de Panos, desde a descoberta das estruturas arqueológicas na década de 1970 até à inauguração em 30 de abril de 1992.

Horário : 15h00 - 18h30 | Auditório da Real Fábrica Veiga

Exposição Temporária| Real Fábrica Veiga

// Desenhos de Portugal  Sketches of Portugal - Maria Lopes

Os desenhos em mostra resulta de uma série de viagens que a artista protagonizou por Portugal nos últimos três anos, que retratam os mais belos exemplares do património arquitetónico e natural português, que poderão vir a ilustrar uma obra de promoção artística e turística (até 2 de julho).

Horário: Sessão de inauguração às 18h30

Concerto Musical | Real Fábrica Veiga

// Concerto Musical com as orquestras de sopro e de metais da EPABI - Escola Profissional de Artes da Covilhã

Horário: 21h30

Ver Cartaz


Mais informações:
Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior
Secretariado: Andreia Alves (tel. 275 319724 ou e.mail muslan@ubi.pt).

Condições de ingresso:
Entrada livre e gratuita


 Exposições e percurso pedestre

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios 2017

Património Cultural e Turismo Sustentável

  18 de abril de 2017| Núcleo da Real Fábrica Veiga

No próximo dia 18 de abril assinala-se mais um Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (DIMS), este ano subordinado ao tema Património cultural e turismo sustentável, proposto pelo ICOMOS Internacional, que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), em colaboração com o ICOMOS, divulgará a nível nacional as atividades propostas pelas entidades públicas e privadas aderentes a esta efeméride. A programação geral efetuada está disponível aqui, através do website da DGPC.

Em prol deste dia festivo, o Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior apresenta um programa de atividades que destaca o papel cultural e turístico do seu núcleo museológico fundador, as Tinturarias da Real Fábrica de Panos, classificadas como Imóvel de Interesse Público em 1982, que, este ano, cumprem 25 anos após conclusão das obras de requalificação construtivas, arqueológicas e museológicas, em 30 de abril de 1992.

PROGRAMA | 18 de abril

Exposições Permanentes “Da Manufactura à Industrialização dos Lanifícios”

// Tinturarias Pombalinas da Real Fábrica de Panos (Séc. 18) > Rua Marquês d’Ávila e Bolama, Covilhã

// Real Fábrica Veiga: Industrialização dos Lanifícios (Séc. 19-20) > Calçada do Biribau, Covilhã

Horário: 9h30 – 12h00 | 14h30-18h00 | Entrada Gratuita

// Visitas orientadas ao Núcleo da Real Fábrica de Panos > Rua Marquês d’Ávila e Bolama, Covilhã

Horário: 10h00 e 16h30

Exposição Temporária | Real Fábrica Veiga

// Pensar pelo Desenho | de António Delgado

A presente  exposição é um ensaio prático/visual sobre o processo criativo do autor e o seu conteúdo pedagógico. Apresenta processos na forma de desenhar e conceber o trabalho em escultura, tecido e iniciado a partir do desenho (até 23 de abril).

Horário: 9h30-12h00 | 14h30-18h00 | Entrada Gratuita

Percursos pelo Património Industrial

// Peddy-Paper na Goldra – Ao encontro do património local | Percurso Pedestre para Equipas

Percurso pedestre associado a perguntas e alguns enigmas que permitirá aos visitantes explorarem a ribeira da Goldra, também apelidada de ribeira dos Pisões, descobrindo fábricas antigas, edifícios remodelados, toponímia, chaminés e outros vestígios.

Horário: 10h00–12h00 (c. 1h30/2h00) >> Marcação prévia junto do secretariado do Museu

Grau de dificuldade: Fácil
Ponto de partida: Real Fábrica Veiga > Calçada do Biribau, Covilhã
Ponto de chegada: Real Fábrica de Panos > Rua Marquês d’Ávila e Bolama, Covilhã

Ver Cartaz

Mais informações:
Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior
Secretariado : Andreia Alves (tel. 275 319724 ou e.mail muslan@ubi.pt).

Condições de ingresso:
Entrada livre e gratuita